Publicado em Deixe um comentário

Ressecamento vaginal, um problema de todas nós!

O ressecamento vaginal é a falta de lubrificação intima na mulher, o que pode causar um desconforto diário ou até provocar muita dor durante a relação sexual. Esta secura vaginal pode ser consequência de vários fatores, como por exemplo:

Falta de estímulos. É quando a mulher não tem estímulos suficientes para deixá-la excitada o bastante para que ocorra a lubrificação adequada. Neste caso, o problema da secura vaginal pode ser resolvido com autoconhecimento e diálogo com o seu parceiro.

Alterações hormonais. Ocorre principalmente em função da queda no nível de estrogênio no organismo. Essas alterações acontecem em fases como gravidez, pós-parto, amamentação e menopausa. Nestes casos vale procurar seu ginecologista, que poderá orientá-la sobre o uso de cremes hidratantes e outros tratamentos possíveis para este ressecamento vaginal sentido. Já durante as relações sexuais abuse dos lubrificantes, de preferência dos que são a base de água.

Falta de libido. Quando a vontade de fazer sexo é mínima ou inexistente, o que tem que ser investigado primeiro é a falta de libido, a tendência é que quando você recuperar sua libido, sua lubrificação natural volte à normalidade.

Uso de medicamentos. Alguns medicamentos podem causar ressecamento das mucosas de todo o corpo ou causar alterações da libido. Neste caso converse com seu médico e veja a possibilidade de trocar o medicamento.

Alergia. Existem muitos produtos que podem provocar alergias, causando o ressecamento vaginal. O amaciante e a camisinha são exemplos bem comuns. Caso haja suspeita de alergia vale a pena suspender o uso e observar se há melhora da lubrificação íntima.

Algumas infecções vaginais, ansiedade e a própria idade são outros exemplos de causas para a secura vaginal.

O fato é que todas nós vamos passar por esse problema, mais cedo ou mais tarde, em menor ou maior intensidade, mas com informação e autoconhecimento podemos superar. Alterações hormonais em função da fase em que vivemos e diminuição da nossa lubrificação íntima com a idade são normais. Mas nenhum desconforto ou dor são normais ou toleráveis. Busque informação, sinta prazer e seja feliz!

Publicado em Deixe um comentário

Autoconhecimento Feminino

Muito se fala em autoconhecimento nos últimos tempos, mas afinal, o que é isso e o principal, por que devemos falar sobre isso?

Autoconhecimento é, de maneira simplificada, um processo onde o indivíduo conhece seus gostos, necessidades e limitações, tanto físicas quanto emocionais. Percebendo de forma clara sua identidade e seu valor pessoal.

E devemos falar sobre isso porque é através do autoconhecimento que poderemos encarar melhor nossos desafios e alcançar nossos desejos.

Mas de todo esse universo que engloba o nosso autoconhecimento, hoje queremos falar de uma parte menos explorada: a sua sexualidade. Você sabe onde mais sente prazer? Sabe como conhecer o seu corpo?

Para muitas de nós mulheres, essas são perguntas sem respostas. E para mudarmos isso, precisamos primeiro trabalhar a nossa auto permissão, ou seja, precisamos nos permitir tocar nosso corpo, sentir prazer e nos conhecermos verdadeiramente. Mas não se engane achando que é um trabalho fácil, você já pensou em quantos “tira a mão daí” você escutou durante a sua infância e quão errada você se sentiu? A verdade é que ainda vivemos em uma sociedade em que a repressão da sexualidade feminina reina e muitas vezes somos privadas de falar, ver, estudar e até mesmo nos tocar. Ouvimos sempre coisas do tipo “homem é que gosta de sexo”, e somos rodeadas por julgamentos que muitas vezes nos deixam intimidadas. Mas mesmo não sendo um trabalho fácil, é totalmente possível e libertador alcançarmos esse conhecimento sobre nós mesmas. O primeiro passo é começar aceitando que merecemos sentir prazer.

Nós mulheres possuímos um órgão chamado clitóris, que possui aproximadamente 8 mil terminações nervosas, um órgão só nosso e exclusivo para o nosso prazer. Um estímulo e tanto para você começar a se tocar e se conhecer melhor!

Não se preocupe se para você ainda seja estranho esse papo de se tocar, comece de leve. A pele é o maior órgão do nosso corpo e nossa maior zona erógena. Comece com paciência, se massageie, use aquele creme ou óleo que está ali servindo só para hidratar a sua pele e passe a usá-lo para uma massagem relaxante nos pés, braços e pescoço. Sinta seu corpo e os estímulos produzidos por ele. Observe-se e sinta em qual região você gosta mais de ser tocada. E lembre-se que cabe a cada uma de nós saber o que gosta, o que a excita e o que a faz bem, afinal, deixar essa obrigação toda para a pessoa parceira é uma responsabilidade muito grande e pode acabar em frustração para ambos.